Letreiro
Turistas internacionais gastam US$ 5 bi no Brasil em 2018
mais brasil comunicações > Cultura
Voltar Enviar noticias imprimir
[12/04/2011] Contos Proibidos na Caixa Cultural Brasília

Graciliano Cândido

Foto: Divulgação

Como vencer o desafio de provocar gargalhadas no público, sem que as personagens de uma peça travem qualquer diálogo? O grupo Antropofocus responde, na prática, no teatro da CAIXA Cultural Brasília, nesta sexta-feira (15) e sábado (16), e domingo (17), no espetáculo “Contos Proibidos de Antropofocus”, com direção de Andrei Moscheto. A peça tem patrocínio da CAIXA e do Governo Federal, e classificação indicativa de 14 anos.

O grupo de pesquisa de comédia Antropofocus existe há quase dez anos, com sede em Curitiba. Sua pesquisa é voltada para a produção de comédia sem a necessidade de uso de clichês. Nesses anos de trabalho, o grupo se propôs a investigar os paradigmas da comédia comercial (a falsa necessidade de apelação gratuita para atrair o público), com os conceitos firmados pelo filósofo francês, Henri Bérgson, em seu tratado antropológico “O Riso”.

“Contos Proibidos de Antropofocus” trata da incomunicabilidade. As cenas do espetáculo – ou os contos – acontecem em ambientes, onde pessoas desconhecidas se encontram, mas não iniciam uma conversa. As cenas acontecem dentro de um ônibus, debaixo de uma marquise num dia de chuva ou em um banheiro masculino. Alguns contos são sobre segredos, coisas que as pessoas fazem, mas prefeririam que ninguém soubesse.

Sobre o diretor:

Andrei Moscheto é diretor, e fundador, do grupo Antropofocus. Trabalhou com Hugo Possolo, dos Parlapatões, enquanto cursava o Bacharelado de Interpretação na UNICAMP. Começou a carreira de ator em 1991 e, em 1997, fez os primeiros trabalhos de direção.

Andrei é diretor de palco, há 6 anos, do evento “Natal no Palácio Avenida”, famosa apresentação do coral de crianças carentes, no centro de Curitiba Também é co-diretor, há 3 anos, do Catavento Cantavoz.

Seu trabalho de direção parte sempre do improviso, como forma de encontrar novas respostas, junto aos profissionais dos grupos em que trabalha. A ideia é combinar diversas visões artísticas para que as peças tenham a participação de todos. Seu contínuo trabalho com a improvisação rendeu o convite para se apresentar, com os artistas do “Jogando no Quintal” – grupo de improvisadores de São Paulo, quando eles fizeram seu primeiro evento com convidados.

Como ator, ganhou dois prêmios; o primeiro, pela peça “Cãocoisa e a Coisa Homem”, escrita e dirigida por Aderbal Freire Filho, e o segundo foi pela peça “Pequenas Caquinhas”, do grupo Antropofocus.

Ficha Técnica:

Direção: Andrei Moscheto

Elenco: Anne Celli, Andrei Moscheto, Danilo Correia, Jairo Bankhardt e Marcelo Rodrigues

Sonoplastia e Assistente de Direção: Célio Savi

Iluminação: Anry Aider

Cenografia: Sérgio Richter

Figurino e Adereços: Fabiana Pescara e Renata Skrobot

Artista Gráfico: Fabiano Rocha 

SERVIÇO

“Contos Proibidos de Antropofocus”

Local: Teatro da CAIXA Cultural Brasília – SBS Quadra 4, lote 3/4, anexo ao edifício Matriz da Caixa Econômica Federal

Data: sexta a domingo, 15, 16 e 17 de abril de 2011

Horário: sexta-feira e sábado, às 20h, e domingo, às 19h (não será permitida a entrada após início do espetáculo)

Telefone para informações: (61) 3206-9448

Bilheteria: (61) 3206-6456 (aberta de terça-feira a domingo, das 12h às 21h)

Preço dos ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada para estudantes, pessoas com 60 anos ou mais, professores, clientes e empregados CAIXA e doadores de 1 kg de alimento não perecível).

Classificação Etária: 12 anos

Fotos da notcia

Clique sobre a foto para ampliar
Notcias relacionada