Letreiro
Pego com a boca na botija, Crivella sofre massacre da Globo, maior concorrente da Record
Política > Nacional
Voltar Enviar noticias imprimir
[11/07/2018] São Paulo; Nassif: Avanço da extrema direita é consequência direta da perseguição a Lula

Brasil247

Foto: Divulgação

O jornalista Luis Nassif analisa o conjunto de insubordinações judiciais, capitaneadas por Sergio Moro, que tomaram conta do país no último domingo, em que Lula teve um habeas corpus concedido, mas que não foi cumprido, como nos tempos do AI-5; Nassif diz: “a insubordinação do TRF4, a interferência de Sérgio Moro, se impôs sobre a debilidade do STF”; e acrescenta: “o país chega, então, a um desses momentos cruciais, em que todos os ritos são atropelados e instaura-se o vale-tudo contra o “inimigo”

11 DE JULHO DE 2018 ÀS 04:27 // INSCREVA-SE NA TV 247 

 

247 – O jornalista Luis Nassif analisa o conjunto de insubordinações judiciais que tomaram conta do país no último domingo, em que Lula teve um habeas corpus concedido, mas que não foi cumprido, como nos tempos do AI-5. Nassif diz: “a insubordinação do TRF4, a interferência de Sérgio Moro, se impôs sobre a debilidade do STF”. E acrescenta: “o país chega, então, a um desses momentos cruciais, em que todos os ritos são atropelados e instaura-se o vale-tudo contra o “inimigo”.

“Solta, a besta se torna incontrolável. Os episódios dos últimos dias destruíram de vez hierarquias e procedimentos no Judiciário. A história está repleta de exemplos em que o combate inicial ao inimigo gerou uma dinâmica incontrolável, produzindo episódios trágicos. O avanço de Bolsonaro é uma consequência direta desse processo. Quem irá segurar a onda?

O STF, que tem como presidente Carmen Lúcia e como inquisidores Edson Fachin e Luís Roberto Barroso, que não resistiram aos primeiros ataques contra sua reputação? O Superior Tribunal de Justiça (STF), com Laurita Vaz, ou o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), cuja presidente Carmen Lúcia montou um grupo de trabalho especificamente para defender os direitos absolutos da mídia, e nenhum grupo para discutir o direito à diversidade de opinião?”

Leia a íntegra do artigo de Luis Nassif aqui, no site do Jornal GGN.

 

Fotos da notcia

Clique sobre a foto para ampliar
Notcias relacionada