Letreiro
Malditos sem piedade.
mais brasil comunicações > Poema das seis da tarde.
Voltar Enviar noticias imprimir
[06/12/2017] São Paulo; Fernando Coelho

Fernando Coelho

Eu bebia muito, felizmente. Conceição do Almeida era uma flecha envenenada de saudade que me trespassava. Eu tinha que ser sincero com aquela coisa maldita que eu não sabia que era saudade. Talvez a saudade seja maior em quem não é poeta. Essas pessoas resistem de alguma maneira. Eu quero me matar. Não é suicídio. É o coração de borco. Eu não tinha para onde ir. Eu me maltratava porque a ignorância da vida me vestia. Eu não acabava em mim. Eu me destruía como se eu fosse uma aranha sem teia. Eu não parecia com nada que eu conheço. Ator frustrado. Poeta violento por causa do abandono. Salvo pelas íngremes carícias dela. Eu era apenas um baiano rebelde, pobre, querendo voltar. Ele me dava a palma da mão em meu coração. E só.

 

 

Poemas do livro Manuscritos Sem Juízo. LivroquecompõeaColeçãoPoetaFernando Coelho, à venda no       UOL.com.br/Clube    e no site da Editora Aquariana  

Fotos da notcia

Clique sobre a foto para ampliar
Notcias relacionada