Letreiro
Leilões de escravos são filmados na Líbia
mais brasil comunicações > Literatura
Voltar Enviar noticias imprimir
[14/11/2017] São Paulo; 5 autores adorados por Gabriel García Márquez

Clube.taglivros.com

Foto: Divulgação

A lista de admiradores de Gabriel García Márquez ao redor do mundo é imensa e passa por nomes como Luis Fernando Verissimo, Isabel Allende, Gilberto Gil e até Barack Obama. Seu prestígio e importância são inquestionáveis, mas você já parou para pensar quem são os ídolos desse grande escritor? 

Listamos 5 dos autores por quem Gabo nutria grande respeito e adoração:

 

1. William Faulkner

Nobel de Literatura de 1949, Faulkner foi entusiasta da técnica do Fluxo de Consciência, presente em muitas das obras de Gabriel García Márquez. Luz em agosto (1932) foi uma das obras de Faulkner que marcou a trajetória do colombiano: “(...) comecei a fumar, à minha maneira de então, acendendo um na beata do outro, enquanto relia Luz em agosto, de William Faulkner, que era então o mais fiel dos meus demônios tutelares.”. Em sua autobiografia, Gabo deixa clara sua obsessão pelo trabalho do escritor norte-americano, fundamental para sua formação.

 

2. Ernest Hemingway

Autor de obras como Morte à tarde (1932), As verdes colinas da África(1935), Por quem os sinos dobram (1940) e O velho e o mar (1952), Hemingway foi Nobel de Literatura em 1954. O americano foi modelo de técnica e disciplina na escrita para García Márquez. Ele mesmo explica que “Faulkner é um escritor que teve grande influência em meu espírito, mas é Hemingway a quem mais devo em termos de estilo – não só por seus livros mas por seu assombroso conhecimento do domínio artesanal que se requer no exercício da escrita.”. Segundo Gabo, Hemingway o ensinou lições como, por exemplo, “quando escrever se torna difícil vale a pena reler as próprias obras para recordar que sempre foi árduo escrevê-las.”.

 

3. James Joyce

Irlandês, James Joyce foi um escritor complexo cuja profundidade trouxe importantes renovações na literatura universal. O início da carreira de García Márquez foi marcado por comentários sobre os traços joyceanos presentes em seus contos. O romance Ulisses (1922), obra que narra 19 horas de um dia na vida de Leopold Bloom, foi marcante na história de Gabo. Sobre ela, o escritor declara: “li aos bocados e aos tropeços até que a paciência não me chegou para mais. Foi uma temeridade prematura. Anos mais tarde, já adulto domesticado, entreguei-me à tarefa de relê-lo a sério e não só foi a descoberta do mundo próprio de que nunca suspeitei dentro de mim, como também uma ajuda técnica inapreciável para a liberdade da linguagem, o manejo do tempo e as estruturas dos meus livros.”.

 

4. Virginia Woolf

A britânica Adeline Virginia Woolf escreveu obras hoje consideradas clássicos do romance moderno. To the lighthouse(1927) foi considerada pela crítica sua obra-prima, emboraOrlando (1928), obra que leva no título o nome da protagonista, é tida como sua principal personagem literária. Em Woolf, Gabriel encontrou inspiração na técnica do monólogo interior que, segundo ele, ela manipulava como ninguém. Sobre a prática, muito utilizada por James Joyce, ele explica que “mais tarde, a descobri também em Virgínia Woolf, e de fato gosto mais como ela manipula a narrativa que o próprio Joyce.”. Essa referência foi predominante no primeiro romance de García Márquez, A revoada, de 1955.

 

O 5º nome é também a autora do livro de dezembro do clube.

O próximo livro surpresa do clube é de autoria de uma das escritoras favoritas de García Márquez. A autora, ainda pouco conhecida no Brasil, é uma catalã que percorreu diversos gêneros, como o conto, o teatro, a poesia e o romance - esse último considerado seu maior êxito literário. “Poucas pessoas sabem, fora da Catalunha, quem foi essa mulher invisível que escrevia em um catalão esplêndido uns romances lindos e consistentes como não se encontram muitos nas letras atuais [...]. Seus livros permitem vislumbrar uma sensibilidade quase excessiva e um amor pela sua gente e pela vida de sua vizinhança que talvez seja o que dá um alcance universal a seus romances”.

Fotos da notcia






Clique sobre a foto para ampliar
Notcias relacionada