Letreiro
Pego com a boca na botija, Crivella sofre massacre da Globo, maior concorrente da Record
mais brasil comunicações > Tecnologia
Voltar Enviar noticias imprimir
[03/03/2017] Florianópolis; O impacto das redes sociais no cérebro

Postado por  Vânia Monteiro  -  Diretora na VM Multicomunicação

Foto: Divulgação

Cinco horas por dia acessando a internet pode mudar o jeito como seu cérebro trabalha.

Ficou surpreso ao ver este dado? Então pare agora e olhe em volta. Das pessoas que estão com você em casa, no trabalho, na escola ou no ônibus, quantas estão mexendo no celular neste exato momento? Pense em você mesmo, quando ouve o celular vibrar. Quanto tempo resiste à tentação de olhar? Talvez esteja lendo isto no seu smartphone, tablet ou notebook, mas normalmente quando você está navegando o que mais as pessoas buscam é relacionamentos virtuais. Sim! Estamos cada vez mais viciados em Facebook, Instagram, WhatsApp, Twitter, Snapchat e tantas outras redes sociais. Mas você sabe porquê? Porque somos dependentes de uma vida em sociedade.

Existem inúmeros estudos sobre os impactos que esta vida conectada traz ao cérebro, visto que, a cada dia, mais e mais pessoas estão conectadas. Dados de 2016 mostram que 102 milhões de internautas, ou seja, mais da metade da população brasileira possui internet. E você, parou para pensar em quantas horas você fica conectado na internet acessando das redes sociais? Se não se deu conta, acho melhor começar.

Esta incrível máquina que temos, o cérebro, é altamente adaptável e, quando vivemos em um ambiente tão diferente como as redes sociais, ele muda também o modo como nos identificamos com o mundo. Nos tornamos mais egocêntricos, pois falamos quase mais de 50% em nós mesmos, algo que, em uma conversa ao vivo, não chega a 40%. Isso sem falar na sensação de prazer que sentimos quando inúmeras pessoas curtem e comentam as postagens ou na frustração quando existe algum comentário depreciativo ou poucos “Likes”. Neste último caso, levando até a processos depressivos.

Mas saiba que é possível amenizar este impacto, treinando nosso cérebro. Existe um método que foi desenvolvido com a colaboração de pesquisadores que atuam nos campos da neurociência, psicologia e educação, que visa aumentar a atenção, aprimorar o raciocínio e criatividade, melhorando a coordenação motora, mantendo uma mente saudável, prevenindo doenças do cérebro e o melhor de tudo, ensinando a pensar fora da caixa. Na escola Supera, já são mais de 60 mil pessoas beneficiadas com o método.O próximo pode ser você.

Artigo da nossa cliente Mariana Nicoletti Cenci - Terapeuta Organizacional, Palestrante e Diretora na unidade Supera Florianópolis - Continente

 

 

 

 

 

Fotos da notcia


Clique sobre a foto para ampliar
Notcias relacionada